Entre os dias 24 e 27 de outubro de 2019 foi celebrado o 5º Encontro do Movimento Brasileiro de Mulheres Cegas e com Baixa Visão.

O encontro aconteceu no campus Tiradentes do Centro Universitário Internacional e teve como tema “Trabalho e empregabilidade das mulheres com deficiência visual”.

Ivone Santana, jornalista engajada com ações de inclusão e empregabilidade de pessoas com deficiência flou sobre a importância da visibilidade para a causa e sobre os aspectos técnicos e da legislação, que garante a inclusão das pessoas com deficiência no mercado trabalho. . “Falei um pouco dos riscos que as empresas correm ao não atender a legislação, e das oportunidades que elas perdem também. Estamos no período de corrigir essa exclusão de pessoas com deficiência na empregabilidade e gerar mais oportunidades para elas”, explica.

O grupo não luta apenas pela inclusão das pessoas com deficiência, mas também pela equidade de gênero. “Buscamos trazer reflexão e uma discussão da grande temática: a inclusão dos direitos da cidadania da mulher e da mulher com deficiência”, enfatiza gerente de projetos do IBGPEX (Instituto de Responsabilidade Socioambiental da Uninter), Adenir Fonseca dos Santos.

A egressa da Uninter Vera Cristina dos Santos, graduada no curso de Marketing Digital, percebeu a importância de lutar por seus direitos e passou a atuar junto ao movimento. “Conversei com os responsáveis e pedi para participar, e hoje faço parte. Porque procuro emprego já faz alguns anos, pelo fato de ter dificuldades de ir e vir. Mas por enquanto, estou num coral musical, porque esse é meu dom, a música”, explica Vera, que é deficiente visual e motora. Vera brindou o evento com uma apresentação musical e explicou que busca divulgar a causa através das redes sociais, pois acredita que assim trará visibilidade a causa e com isso, o aumento no espaço das pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Participaram do encontro mais de 60 mulheres discutindo questões ligadas a inclusão e acessibilidade.