No ano de 2018 o Projeto Ser Capaz , do IBGPEX atendeu 87 pessoas com deficiência no programa da qualificação vinculada que capacita o público alvo para o mercado de trabalho formal. O projeto faz parte do Eixo 2 e foi de grande valia para o Instituto alcançar a marca de 237 pessoas com deficiência impactadas no ano de 2018…

IBGPEX

O Instituto IBGPEX de Responsabilidade Socioambiental, é  uma associação civil de assistência social, beneficente e sem fins lucrativos.  Têm como missão a Inclusão social através da educação. Elabora e desenvolve projetos, articula e promove eventos, ações sociais e campanhas, nas áreas da assistência social, responsabilidade social universitária e responsabilidade social empresarial.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Imagem-os-3-Pilares-do-IBGPEX-2-1024x148.png

O IBGPEX mantém parceria através de convênio firmado com o Centro Universitário Internacional UNINTER para desenvolvimento de projetos sociais de Responsabilidade Social Universitária a serem validados pelo MEC e que estão em conformidade com o Programa de Desenvolvimento Institucional – PDI.

O MEC visando a Responsabilidade Social Universitária, elaborou eixos que devem ser considerados pelas Instituições de Ensino Superior, tendo sido repassados pelo Centro Universitário Internacional Uninter para serem executados pelo IBGPEX os seguintes:

  • EIXO 1 – Diversidade, Meio Ambiente, Memória Cultural, Produção Artística, Patrimônio Cultural;
  • EIXO 2 – Desenvolvimento Econômico e Social;
  • EIXO 3 – Ações de Responsabilidade Social e Inclusão Social;
  • EIXO 4 – Ações Afirmativas de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos e Igualdade Étnico-racial;
  • EIXO 5 – Ações de Estímulo Relacionados à Difusão das Produções Acadêmicas: Científica, Didático Pedagógico, Tecnológica, Artística e Cultural.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM CADA EIXO EM 2018

EIXO 1 – Diversidade, Meio Ambiente, Memória Cultural, Produção Artística, Patrimônio Cultural

No ano de 2018, entre as diversas ações e projetos desenvolvidos no EIXO 1 – Diversidade, Meio Ambiente, Memória Cultural, Produção Artística, Patrimônio Cultural, 90 pessoas foram impactadas diretamente. Destaca-se o Projeto Fazendo Renda que trabalha com ações de Reciclagem Têxtil e Design Social para 60 mulheres em situação de vulnerabilidade social. No projeto as mulheres resgataram técnicas do artesanato brasileiro utilizando retalhos que poderiam ser descartados inadequadamente no meio ambiente aliando conhecimentos sobre sustentabilidade, reciclagem, consumo e qualidade de vida.  Em 2018 também constaram do EIXO 1: Projeto Pinceladas da Vida –  que é um curso pintura em tela para idosos e a Ação Visita ao Aterro Sanitário.


EIXO 2 – Desenvolvimento Econômico e Social

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-23.png


PROJETO SER CAPAZ

O Projeto Ser Capaz faz parte do eixo 2 – Desenvolvimento Econômico e Social. O programa da qualificação vinculada se faz necessário para que a pessoa com deficiência possa se desenvolver para o mercado de trabalho formal através do curso ministrado pelo Instituto, gerando renda e tendo um convívio social com outras pessoas.  No ano de 2018, o Instituto atendeu 87 pessoas com deficiência. O eixo se fez de grande valia para o Instituto alcançar a marca de 237 pessoas com deficiência impactadas no ano de 2018.

Ações afirmativas de sensibilização, conscientização e inclusão visando atender as problemáticas trazidas pelas pessoas com deficiência com relação aos seus direitos, entre eles a Inclusão Social e Técnica da pessoa com deficiência no mercado de trabalho por meio de capacitação profissional e desenvolvimento pessoal foram desenvolvidas em 2018.

O projeto Ser Capaz teve início em 2011 objetivando contribuir para o desenvolvimento comunitário sob as formas de inclusão social, digital, educacional e cultural das pessoas com deficiência, bem como promover o resgate e a construção da cidadania, com acesso à educação e ao trabalho, para que reduzam os contrastes sociais, abrindo-se oportunidades para que todos indistintamente participem das oportunidades de forma mais justa e igualitária.

O Projeto Ser Capaz tem como objetivo geral a capacitação e inclusão da pessoa com deficiência (visual, auditiva, física, intelectual e outras) no mundo do trabalho como cidadão produtivo e tecnológico.

Os objetivos específicos do projeto são oportunizar a pessoa com deficiência o seu crescimento pessoal e social, contribuir para a inclusão social e tecnológica da pessoa com deficiência ao mundo do trabalho, sensibilizar os colaboradores sobre a empregabilidade da pessoa com deficiência, conscientizar para a importância social da ampliação de vagas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho.


Em 2018, foram atendidas pelo IBGPEX aproximadamente 460 pessoas com deficiências no Programa Ser Capaz, sendo que, o projeto foi impulsionado com ações de mobilização, busca ativa, capacitação, sensibilização, assessoria empresarial, feiras e eventos que reforçaram a necessidade de valorização e empregabilidade de pessoas com deficiência. Anteriormente o projeto estava voltado principalmente para as pessoas com deficiência visual. A ampliação do Programa Ser Capaz abrangeu outras deficiências e consistiu em formatos diferentes de Capacitação Inclusiva, como:

  • Capacitação – Qualificação Vinculada e Cidadania – Empregabilidade (12 meses);
  • Capacitação – Informática Acessível (6 meses);
  • Capacitação para o Mundo do Trabalho (10 dias).

Parcerias

O Projeto Ser Capaz, no ano de 2018, realizou diversas parcerias, as quais possibilitaram o cumprimento dos seus objetivos, tais como: parceria junto ao Recursos Humanos da UNINTER na contratação dos alunos do Projeto nos diversos setores da Instituição; com associações, instituições e entidades de apoio às pessoas com deficiências de Curitiba e Região Metropolitana, destacando-se a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE, Associação dos Deficientes Visuais do Paraná – A DEVIPAR, Instituto Paranaense de Cegos – IPC, Associação Paranaense de Reabilitação – APR, Escola Estadual que Atende Surdos em Tempo Integral, Associação dos Deficientes Físicos do Paraná – ADFP.  Parcerias junto às regionais de Curitiba FAS, CRAS e CREAS, com o intuito de dar visibilidade a causa das PcD; possibilitar facilidades e condições de vida na comunicação e acesso ao mundo do trabalho dos mesmos, bem como captar alunos para participarem do Projeto.

Houve também parcerias com órgãos vinculados ao trabalho tais como: Agências do Trabalhador de Curitiba e região Metropolitana, Ministério do Trabalho, Secretaria Municipal do Trabalho e postos do SINE de Curitiba e região metropolitana, onde foram realizadas palestras, sensibilizações e treinamentos com os colaboradores destes órgãos, visando proporcionar um melhor atendimento e comunicação às pessoas com deficiência.

Ações e participações

No intuito de cumprir com seu papel social junto à comunidade, em 2018, o IBGPEX, representado pelos seus colaboradores, participou de eventos, realizou ações, palestras, treinamentos, sensibilizações, seminários e workshops, destacados a seguir:

Dia da cidadania OAB/PR 2018

O IBGPEX, participou no dia 26 de março de 2018, do Dia da Cidadania a convite da Comissão da OAB-PR, por meio da advogada Berenice Reis Lessa. As pessoas que estavam no evento puderam vivenciar diferentes experiência no stand do IBGPEX, como por exemplo, o torneiro de xadrez para deficientes visuais, foram convidados os cinco melhores enxadristas com deficiência visual do Estado para disputar partidas ao ar livre. Entre uma partida e outra, um dos atletas esteve à disposição ao lado de um tabuleiro adaptado para explicar à população como funciona a modalidade do esporte para pessoas com deficiência visual.

Organizado pela Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da OAB em parceria com outras entidades, o evento contou com uma série de ações em prol da empregabilidade da pessoa com deficiência.


Três deficientes visuais ganharam medalhas pelas primeiras colocações no campeonato disputado por 18 enxadristas. O primeiro colocado, Oswaldo de Almeida Bezerra, pratica o esporte há mais de duas décadas e participa de competições nacionais. A segunda colocada foi Valéria Roberto, enxadrista há um ano. Foi uma honra receber o convite da Comissão de Direito das Pessoas com Deficiência nestas ações de recreação e inclusão.

Palestra Código de Cores para Cegos

No dia 18 de maio de 2018, a Biblioteca Pública de Curitiba recebeu a palestra “See Color”, promovido pela Universidade Federal do Paraná. O Projeto é um trabalho da doutoranda em Engenharia Mecânica Sandra Regina Marchi, e teve por objetivo a representação de cores para pessoas com deficiência visual através de códigos táteis, baseando-se no sistema de escrita Braille.

A intenção foi ensinar primeiramente códigos representativos das cores do triângulo cromático, e partindo deste princípio, aprender a colocação deles para formação de outras cores.

Também palestraram nesse dia outras quatro estudantes de mestrado da Universidade Federal, que estiveram diretamente envolvidas com o Projeto “See Color”, sendo: Gisele Ribeiro, Maria Barbosa, Dominique Adam e Kelli Smythe.

O IBGPEX contou com a participação dos colaboradores Zélia Reis e Rui Fonseca no evento.

Consultoria em Acessibilidade  

No dia 20 de maio de 2018, os colaboradores Daniel Massaneiro e Rui Kelson, representantes do IBGPEX, estiveram na OAB/PR, prestando consultoria de acessibilidade na WEB.

Com o objetivo de auxiliar e indicar melhorias para tornar a página da OAB/PR acessível para Pessoas com Deficiência Visual, onde todos possam realizar inscrições e participar dos eventos promovidos pela OAB/PR.


Feira de Profissões Uninter

No dia 21 de julho de 2018, aconteceu a 2ª Feira de Empregos e Profissões Centro Universitário Uninter e o IBGPEX teve a oportunidade de participar. O evento contou com a parceria de diversas empresas de RH, que apresentaram mais de 3000 vagas de emprego em diversas áreas. 
Foi um evento para toda a família, com diversas atrações culturais e palestras direcionadas a públicos diversos.

IBGPEX participa do “Dia D” organizado pela Secretaria do Trabalho e Emprego do Paraná e Agência do Trabalhador Central do Paraná

No dia 25 de setembro de 2018, o IBGPEX teve a oportunidade de participar do dia D do Trabalho (Feira organizada pela Secretaria do Trabalho e Emprego do Paraná e Agência do Trabalhador Central do Paraná), voltada a empregabilidade de pessoas com deficiência, envolvendo todas as empresas filiadas/vinculadas aos órgãos citados acima, bem como à Secretaria Estadual do Trabalho.

Neste evento, o IBGPEX contou com um stand para recepcionar o público, onde foram realizados 29 cadastros de possíveis candidatos para o Programa Ser Capaz. Também foi apresentado a proposta do Projeto Ser Capaz para 5 empresas presentes no evento buscando viabilizar parcerias para a inserção de PcDs no mercado de trabalho.

Seminário de orientação Profissional

No dia 26 de setembro de 2018, o IBGPEX participou da Semana da Empregabilidade 2018, promovido pela Fundação de Ação Social no auditório da Biblioteca Pública do Paraná.

O workshop teve como objetivo conscientizar sobre a importância da qualificação das pessoas com deficiência para competir no mercado de trabalho.

Dia D organizado pela Secretaria Estadual do Trabalho do Paraná

A Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos do Estado do Paraná promoveu no dia 28 de setembro, o Dia D da Pessoa com Deficiência em 80 Agências do Trabalhador. Realizada pelo quarto ano consecutivo no Paraná, a ação teve como objetivo aumentar as oportunidades de inserção deste público no mercado de trabalho.

O IBGPEX teve seu espaço na Agência do Trabalhador Central do Paraná, localizada em Curitiba, com o intuito de sensibilizar as empresas e captar pessoas com deficiências para o Programa Ser Capaz, o qual busca mobilizar, capacitar e inserir profissionais com deficiência ao mercado de trabalho, com a devida atenção e dignidade que tais profissionais merecem e necessitam.

Na ocasião, foi possível entrevistar e cadastrar 32 candidatos com deficiência para o projeto Ser Capaz e também apresentamos a proposta do Projeto Ser Capaz, para 11 empresas presentes no evento, onde no futuro possamos firmar parceria e inserir as PcD no mercado de trabalho.

O evento aconteceu em todo o Brasil com a promoção do Ministério do Trabalho. O IBGPEX mantém a parceria junto a Secretaria do Trabalho há alguns anos através das agências do Trabalhador que fazem a intermediação de vagas para as pessoas com deficiência.

 De acordo com o órgão, 45 milhões de brasileiros vivem com algum tipo de deficiência. Apenas no Paraná são cerca de 2,5 mil pessoas, segundo o Censo 2010 do IBGE.

Dia D Uninter

O Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência foi instituído pelo movimento social em Encontro Nacional em 1982, com todas as entidades nacionais. O dia 21 de setembro foi escolhido porque está próximo do início da primavera, estação conhecida pelo aparecimento das flores. Esse fenômeno representaria o nascimento e renovação da luta das pessoas com deficiência. A data foi oficializada através da Lei Federal nº 11.133, de 14 de julho de 2005.

Esta data é comemorada e lembrada todos os anos, desde então, em todos os Estados do Brasil e se constitui em momento para reflexão e busca de novos caminhos para as lutas do segmento. Para as pessoas com deficiência é também momento para divulgar as lutas e cobrar mais inclusão social.

O IBGPEX, realizou no dia 11 de outubro de 2018 o evento: DIA D UNINTER, em comemoração ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. O evento teve como objetivo estimular debates e propor que a sociedade tenha reflexão sobre a importância do seu papel na igualdade e inclusão.

Semana Nacional da Ciência e Tecnologia

O LABERG | Laboratório de Ergonomia da Universidade Federal do Paraná em parceria com o IBGPEX e o Centro Universitário Internacional UNINTER realizou dois encontros, nos dias 15 e 17 de outubro de 2018, em comemoração à Semana Nacional da Ciência e Tecnologia, um ciclo de palestras e workshop, com a temática:

“O papel das Tecnologias Assistivas na Universidade e suas aplicações na Sociedade”.

No dia 15 de outubro o evento ocorreu em Curitiba, na Universidade Federal do Paraná e no dia 17 de outubro, o evento aconteceu em Ponta Grossa, no Polo da UNINTER.

O IBGPEX teve sua participação através da palestra “Como conviver com a Diferença”, ministrada pela Professora Adenir Fonseca dos Santos e os colaboradores Edenir Marques da Silva e Rui Kelson Fonseca. O evento contou com a presença de professores, pessoas com deficiência e membros da comunidade.

Audiência Pública da Pessoa com Deficiência no Mundo do trabalho

O IBGPEX participou no dia 16 de outubro de 2018, da audiência pública no Ministério público do Trabalho, ministrando palestra e sensibilizando empresários através da vivência e cases. Participaram também, a Secretaria Municipal de Curitiba e o Conselho da Pessoa com Deficiência. Abordando assuntos específicos sobre a Lei de Cotas e o Mercado de Trabalho para as Pessoas com Deficiência.

Palestra Acessibilidade – Adenir Fonseca dos Santos e Rui Kelson

IBGPEX participa da Palestra “A proteção dos direitos dos consumidores com deficiência a partir da visão do direito espanhol”

No dia 22 de outubro de 2018, o IBGPEX se fez presente na palestra ministrada pela advogada e professora espanhola Inmaculada Vivas Tesón, realizada na sede do Instituto dos Advogados do Paraná (IAP). Ela falou sobre “A proteção dos direitos dos consumidores com deficiência a partir da visão do direito espanhol”. Segundo a palestrante, as normas jurídicas espanholas têm como destinatárias pessoas com o seguinte perfil: homem, branco, heterossexual, um bom pai, com posses e boa saúde. “Não se pensa nas pessoas portadoras de deficiências”, afirmou.

No âmbito do direito do consumidor, há dois tipos de indivíduos, o consumidor e o consumidor com deficiência. Mesmo que o conceito de consumidor seja universal a toda pessoa física ou jurídica que atua com um propósito e como destinatário final. “Todos somos diferentes, mas temos os mesmos direitos. Se uns têm direitos e outros não, não se chamam direitos, se chamam privilégios. Direitos temos todos, sem exceção. ”

Para Inmaculada, não estamos no momento de reconhecer direitos, pois eles já estão reconhecidos pelo Tratado Internacional de Direitos Humanos, agora é o momento de torná-los acessíveis. “O direito de exercer os direitos”, disse. Além da acessibilidade arquitetônica, é nosso dever assegurar a acessibilidade universal, inclusive aos direitos, dos que têm limitações ou não, pois são pessoas. Na visão dela, o tratado trouxe visibilidade às pessoas com deficiência. “Antes da convenção, as pessoas com deficiência ficavam em casa, em hospitais ou presas, e agora nós as vemos pelas ruas”, explicou. Em matéria de consumo, na Espanha, nem toda a discriminação chega ao tribunal, muitos poucos casos são judicializados. “A única coisa que quero é que se cumpra a lei, acredito que todo empresário ou produtor de serviços precisa ter um compromisso social. O produto deve ser destinado a toda a população, com e sem deficiência. ”

Torneio de dominó

O IBGPEX realizou o evento, Torneio Inclusivo de Dominó, envolvendo pessoas com deficiência visual de todas as idades. Participaram ao todo 35 competidores.

O evento é promovido todos os anos em parceria com a Biblioteca Pública do Paraná.


PROJETO FAZENDO RENDA

O Projeto Fazenda Renda tem como proposta o desenvolvimento sustentável por meio da reciclagem têxtil com ações de Design Social e Empreendedorismo, objetivando a capacitação de mulheres a partir de 18 anos, preferencialmente em situação de vulnerabilidade social, de forma a promover a melhoria da condição social da mulher, sua valorização e participação ativa na sociedade, criando oportunidades de trabalho e geração de renda.

O Projeto utiliza resíduos da indústria têxtil, como retalhos de tecidos e outros materiais recicláveis, que geralmente seriam descartados no meio ambiente.  Aliar artesanato à conscientização ambiental é um dos objetivos do Projeto, que procura envolver as alunas sobre a conservação dos recursos naturais e o desestimulo ao consumo exagerado.

No Projeto, as mulheres têm a oportunidade de aprender a confeccionar bolsas, roupas e acessórios de moda, bem como, também participam do processo de ensino aprendizagem sobre gestão, empreendedorismo, cidadania, sustentabilidade e qualidade de vida.  O Projeto teve início em 2008 e já capacitou centenas neste período. Os registros são documentados e constam nos relatórios do IBGPEX dos anos anteriores.

Em 2018 o Projeto desenvolveu atividades de capacitação para o artesanato através de oficinas práticas, o público alvo teve na sua totalidade 60 mulheres, e que se encontravam em situação de vulnerabilidade social e econômica, sem restrições de gênero, raça, religião e política partidária. As participantes residiam no município de Curitiba.

Oficina de Reciclagem Têxtil  e Adereços da Moda

Com retalhos de tecidos, esta oficina foi desenvolvida em dois encontros de três horas cada, dia 19 e 26 de fevereiro de 2018. Buscou desenvolver nas alunas competências para conhecer múltiplas técnicas artesanais utilizadas na aplicação de adereços da moda com o reaproveitamento de retalhos e outros resíduos da indústria têxtil. A oficina trouxe o conceito do feito à mão, do fazer manual, do produzir um a um, com qualidade e criatividade.



Oficina de Adereços da Moda com Reciclagem de Papel

A oficina foi desenvolvida em dois encontros, nos dias 05 e 12 de março 2018. Usou como matéria prima papel de revistas, catálogos e outros.  Foram feitos pequenos rolinhos que posteriormente se transformaram em colares e pulseiras, são bijuterias provenientes 100% da reciclagem.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-45.png

Temas Transversais: Palestra – Qualidade de Vida e Autoestima

A Roda de Conversa Qualidade de Vida e Autoestima foi desenvolvida no Campus Garcez, no dia 26 de março e contou com 43 pessoas, público de alunos dos Projetos Sociais do IBGPEX. Na primeira parte da atividade, a assistente social do IBGPEX abriu o tema sobre a qualidade de vida. A segunda parte foi uma prática sobre alongamento físico, entendendo que a prática da atividade física aumenta a flexibilidade muscular e eleva a autoestima.

Oficina de Flores de Tecidos

Foi desenvolvida durante quatro encontros: 02, 09, 16 e 23 de abril e instigou nas alunas, competências para conhecer as principais técnicas utilizadas na confecção de flores de tecidos com o reaproveitamento de retalhos de tecidos finos, vindos por doação de ateliers de alta costura e outros resíduos da indústria têxtil.

A Feira de Economia Solidária do IBGPEX 2018

Aconteceu durante a realização da II Conferência de Economia Popular Solidária, realizada pela Fundação de Ação Social (FAS) e o Conselho Municipal de Economia Popular Solidária (CMEPS).

O evento aconteceu nos dias 27 e 28 de abril no auditório da Uninter, no Edifício Garcez –  7º andar. As mulheres do Projeto Fazendo Renda tiveram a oportunidade de apresentar e comercializar os produtos confeccionados por elas.

O evento reuniu representantes da administração municipal, de empreendimentos solidários e de entidades de apoio e fomento à economia solidária em Curitiba.

Oficina do Fuxico

Foi desenvolvida em cinco encontros, nas datas de 07,14,21 e 28 de maio 2018, na sede do IBGPEX, rua Ébano Pereira, 60, 18º andar, sala 1801.

Na ocasião, o intuito foi de capacitar as alunas para a utilização da técnica do fuxico. O fuxico é uma é uma técnica artesanal onde há o reaproveitamento de retalhos de tecidos. O retalho é recortado em formato circular e alinhava-se suas extremidades. Ao puxar a linha, forma-se uma trouxinha de tecido que é o fuxico. Puderam utilizar os fuxicos em acessórios para os cabelos, vestidos, panos de prato, camisetas, lembrancinhas caixas, artigos religiosos, colchas, tapetes e até no buquê de noiva.

Feito com tecidos de diferentes tipos e diversos tamanhos, as pecinhas feitas seguindo essa técnica, ganharam espaço na moda e na decoração da casa.

Oficina de Bordado em Fitas

Foi realizada nos dias 04,11,18 e 25 de junho 2018 e capacitou mulheres para a técnica do bordado com fitas, que é um tipo de customização que pode ser bem simples de fazer e ser usado em roupas, toalhas de banho e também em peças de decoração. A técnica agregou valor às peças e as deixaram com um visual único e inovador. 

A Oficina do Crochê

Foi realizada em quatro encontros, nos dias 06,13 e 20 de agosto 2018 e buscou desenvolver nas alunas, competências para a produção de peças com a técnica do crochê.

O crochê é produzido artesanalmente com linha e agulha por meio de pontos e laçadas. São usados diferentes gramaturas de fios e tamanhos de agulha, é possível produzir uma infinidade de artigos, como: peças de decoração, acessórios de moda, roupas de bebê, mantas, peças do vestuário e muitas outras.

Reciclagem Têxtil: Costura Básica a partir de modelagens prontas

A oficina de costura básica a partir da reciclagem têxtil, realizada nos dias 03 e10 de setembro, buscou capacitar as mulheres para o uso da máquina de costura e o treino de coordenação básica, como: costura reta, curva, com interrupções e outras. Também como copiar e utilizar um molde pronto, a costura à mão, e pontos diversos da máquina de costurar.

Aula de Artesanato para a Comunidade – Rua XV de novembro – Reciclagem Têxtil

No dia 17 de setembro 2018, durante 3 horas as mulheres alunas do Projeto Fazendo Renda desenvolveram uma oficina de artesanato ao ar livre, na Rua XV de novembro, em Curitiba em frente a sede UNINTER Garcez. Com o conceito da Reciclagem Têxtil levaram à comunidade o slogan: “Hoje, quase tudo o que você joga fora pode ser reaproveitado em benefício de um planeta mais limpo e saudável”. Na indústria têxtil, toneladas de retalhos e outros resíduos são descartados e, se não forem usados adequadamente, ficarão no meio ambiente por muitos anos poluindo a natureza.

O artesanato com retalhos é uma das soluções! Gera renda para as mulheres e evita o descarte inadequado!

A ação propiciou uma oportunidade para as pessoas que transitavam na rua pudessem aprender a confeccionar flores de fuxicos com retalhos.

Oficina de Costura de Necessaire Feminina

A oficina de costura de necessaire feminina foi desenvolvida no dia 24 de setembro 2018 e capacitou as alunas para a produção da peça. As alunas confeccionaram 45 peças para presentear alunos do Projeto Ser Capaz.

Oficina de Costura de Necessaire Masculina

Foi desenvolvida no dia 01 de outubro 2018 e capacitou as alunas para a produção da peça. As alunas confeccionaram 45 peças para presentear alunos do Projeto Ser Capaz.

EIXO 3 – Ações de Responsabilidade Social e Inclusão Social

Projeto Jovem Cidadão

Tem como público alvo jovens em situação de vulnerabilidade social e econômica, tendo como objetivo a defesa e garantia de direitos dos mesmos por meio da inclusão digital, possibilitando a inclusão ao mercado de trabalho e o desenvolvimento da autonomia, prevenindo assim, a violência, a evasão escolar e o envolvimento com substâncias psicoativas.

O Projeto atua na inclusão digital através de curso de informática básica e a discussão de Temas Transversais.

O conhecimento das ferramentas da informática instrumental é uma exigência em todas as áreas do conhecimento e, consequentemente, no mercado de trabalho. O fato de ser cada vez mais comum a existência de um computador nas residências e este estar à disposição dos jovens em casa e na escola, não significa exatamente que saibam utilizar corretamente as ferramentas de escritório (editores de texto, planilhas, software de apresentação, gerenciadores de e-mail, entre outras ferramentas). Temos ainda, em Curitiba e Região Metropolitana, uma parcela significativa da população que não possui acesso à internet banda larga, o que limita a utilidade do computador na residência.

Diante desta necessidade a proposta de oferecer um curso de informática básica (editor de texto, planilhas, software de apresentação e internet) gratuito para comunidade, é uma forma de cumprir o papel social da instituição.

Foram realizadas diversas parcerias junto aos órgãos vinculados a Educação (Ministério da Educação, Secretarias Municipal e Estadual da Educação e demais do gênero); junto às escolas, associações, instituições e entidades de apoio e atendimento a adolescentes e jovens, para divulgação do Instituto junto à comunidade, através de visitas e contatos com, familiares, alunos e profissionais ligados aos alunos (adolescentes e jovens); bem como à órgãos governamentais, como CRAS e FAS, de Curitiba e Região Metropolitana, para busca ativa dos alunos a serem atendidos pelo programa.

Durante o ano de 2018 duas turmas foram capacitadas, atendendo 35 jovens diretamente, com aulas na sede Garcez.

Os conteúdos programáticos da informática englobou o pacote Office, iniciando pelo Word, onde aprimoraram sua digitação, aprenderam a formatar textos segundo as normas da ABNT, entre outros; passando para o Power Point, onde os alunos aprenderam a elaborar apresentações de slide, bem como, utilizar todas as funcionalidades oferecidas pelo programa; e finalmente aprenderam a trabalhar com o Excel, onde aprenderam as fórmulas básicas (soma, subtração, divisão e multiplicação), bem como outras fórmulas e formatação de planilha. Aprenderam a criar layouts para sites, como montar uma página para a Web, através das linguagens HTML e CSS, e também como hospedá-las e domínio de sites. Criação de artes e publicações com o uso da ferramenta CANVA, criação de animações e vídeos com o uso da ferramenta Explee.

Entre os temas transversais, foram realizadas dinâmicas de grupos e Palestras abordando temas que envolvem a empregabilidade, tais como: “O papel dos recursos humanos no processo de recrutamento e seleção”, “Empregabilidade e o mercado de trabalho”, “As tecnologias e suas influências no mundo do trabalho”, “Redes sociais, vantagens e desvantagens”, com o objetivo de fazê-los refletir quanto ao futuro, profissões, comportamento diante às diferenças e dificuldades da escolha no mercado de trabalho.

Palestra: Como elaborar um currículo profissional?

Foram realizadas duas palestras nos dias 24 e 26 de outubro de 2018 com os adolescentes do projeto Jovem Cidadão. As palestras tiveram o intuito de auxiliar na confecção do currículo profissional, redirecionado para aquelas pessoas que estão em busca do primeiro emprego.  Os adolescentes tiveram a aula teórica e no segundo momento a prática. Ao todo foram 15 alunos que tiveram a oportunidade de elaborar seu currículo e encaminhar para instituições que ofertaram vagas dentro do perfil para jovens aprendizes. 

Como vender um produto?

Ministrada pela instrutora de projetos sociais Marilda Boemer a palestra com o tema: como vender um produto para uma empresa. Através de atividades lúdicas, os adolescentes tiveram oportunidade de desenvolver a oralidade e fortalecer o trabalho em equipe.

Projeto Rompendo Fronteiras

Com o intuito de promover a Garantia e a Defesa de Direitos da Pessoa Idosa, inserir o público idoso no mundo digital, proporcionar o acesso as ferramentas básicas do computador, estabelecer novas amizades e participar de grupos de interesse, o IBGPEX desenvolve o Projeto Rompendo Fronteiras desde 2010, e já capacitou mais de 500 pessoas idosas.

As pessoas estão vivendo mais e melhor, desta forma a porcentagem de idosos na população mundial vem crescendo muito, consequentemente desempenhando funções que antigamente não estavam ao seu alcance, buscam então nas tecnologias alternativas para estabelecer novas amizades, participar de grupos de interesse e estar a par das tecnologias atuais.

Os recursos da informática estão disponíveis para o trabalho, estudo e o lazer e devem ser desfrutados por todos, independentemente de idade e condição social. Infelizmente, a maioria dos idosos se sentem excluídos nessa parte, pois muitos alegam que “as novas tecnologias não fazem parte da sua geração”, não há quem possa auxiliá-los quanto ao uso dessas tecnologias, tem receio de mexer com essas tecnologias.

Pensando nisso, o Projeto Rompendo Fronteiras foi desenvolvido especificamente para as pessoas idosas, tendo como objetivo ofertar o acesso as ferramentas básicas do computador, ao mundo digital por meio da internet e das redes sociais, proporcionando novas experiências de vida no ciberespaço. As aulas são adaptadas ao público alvo, com maior tempo para a realização de exercícios, necessidade de repetir palavras e conceitos para melhor fixação, entre outros itens.

O acesso as ferramentas da informática não representam apenas a inclusão digital por meio de editores de texto, planilhas, software de apresentação, gerenciadores de e-mail, a internet e as redes sociais, abre um horizonte de possibilidades de interação e de encurtamento de distâncias. A pessoa da terceira idade busca no computador não apenas a utilização de softwares, mas sim as possibilidades que estes oferecem para adquirir produtos e serviços, estabelecer novas amizades e participar de grupos de interesse.

Além do conteúdo de informática, o Projeto abrange também palestra sobre temas transversais, filmes relacionados ao conteúdo de informática, cultura, poesia, exibição de slides a respeito da computação, dentre outras ações voltadas para a fixação do conteúdo.

No ano de 2018, o curso atendeu 53 idosos que fizeram parte das atividades propostas pelo Projeto.

Palestra: Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

No dia 19 de junho 2018 foi reafirmado em sala de aula com os idosos o tema sobre o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, que foi instituída no dia 15 de junho de 2006 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa.

Palestra: Envelhecimento Ativo

No dia 17 de agosto 2018 foi ofertada uma palestra sobre envelhecimento ativo, explanando o seu significado e oportunizando conhecimento para os alunos do Rompendo Fronteira. A palestra teve como objetivo melhorar a qualidade de vida da pessoa idosa e fortalecer o vínculo social.

O envelhecimento ativo aplica-se tanto a indivíduos quanto a grupos populacionais. Permite que as pessoas percebam o seu potencial para o bem-estar físico, social e mental ao longo do curso da vida, e que essas pessoas participem da sociedade de acordo com suas necessidades, desejos e capacidades ao mesmo tempo, propicia proteção, segurança e cuidados adequados, quando necessários.

O objetivo da data é criar uma consciência mundial, social e política da existência da violência contra a pessoa idosa, e, simultaneamente, disseminar a ideia de não aceitá-la como normal.

AÇÕES

As ações da Páscoa Solidária, Campanha do Agasalho  e Doce Natal impactaram juntos 4.179 crianças. As ações foram de grande importância tanto para as 17 Entidades Assessoradas pelo Instituto que receberam os presentes quanto para os colaboradores da Uninter que tiveram a oportunidade de participar das ações sociais promovidas pelo Instituto em parceria com a Uninter. O eixo 3 tem a responsabilidade social e inclusão social como foco o  compromisso empresarial de contribuir para o desenvolvimento econômico sustentável, concentrando os esforços em conjunto com os empregados, suas famílias, a comunidade local e a sociedade em geral para melhorar a qualidade de vida e consequentemente no ambiente de trabalho. Todo esse trabalho resultou em 2018 um impacto em 4.267 pessoas dentre crianças, adolescentes e adultos.

DIA DA MULHER 2018

No dia 08 de março, o IBGPEX organizou um evento em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, em parceria com a Escola Superior de Secretariado, que auxiliou na organização do cerimonial do evento e a recepção dos convidados. O evento aconteceu no auditório do Centro Universitário Internacional Uninter, sede Tiradentes, apresentando o tema “Empoderamento Feminino”.

O público alvo foram os alunos do curso de Pedagogia, Administração, Marketing, comunidade em geral, colaboradores do grupo Uninter, convidados especiais e autoridades, representando vários segmentos da sociedade, participaram deste evento aproximadamente 110 pessoas.

Roda de Conversa: Empoderamento Feminino

O IBGPEX acredita na autonomia financeira como meio de liberdade e autoestima para mulheres. Também acredita que empreender não é apenas abrir um negócio, empreender é escolher uma postura perante a vida.

No dia 19 de março 2018, foi realizada uma roda de conversa sobre Empoderamento Feminino. O IBGPEX contou com relatos das professoras do Grupo Uninter, as coordenadoras dos cursos de Direito e Administração compartilharam com o público presente, o caminho que percorreram até alcançarem postos de liderança na área acadêmica. Como mulher empreendedora, foi homenageada a Sra. Sheila Rigler e como liderança feminina, a líder indígena a Sra. Belarmina Pataxó.

O Público alvo foram as alunas dos Projetos Sociais do IBGPEX, e contou com 52 pessoas.

EIXO 4 – Ações Afirmativas de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos e Igualdade Étnico-racial.

Buscando a Defesa e Garantia de Direitos da Criança, em consonância com o eixo 4, o Instituto IBGPEX em parceria com a Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter, desenvolveu o Projeto Clínica de Psicopedagogia “Vamos Aprender”, o qual engloba o atendimento de crianças e adolescentes com dificuldade de aprendizagem, auxiliando através da intervenção psicopedagógica à solução de problemas de aprendizagem nos espaços institucionais, e o principal, entender o “como” e “quando” cada aluno aprende.

Para tais atendimentos e direcionamentos o Instituto IBGPEX divulga, capta, faz a triagem e acompanha quando necessário a família no processo de inclusão social, ofertando atendimentos individuais, em grupo, oficinas e eventos.

No ano de 2018, a Clínica de Psicopedagogia realizou atendimento a 42 crianças.

Dando continuidade aos Projetos relacionados ao eixo 4, abordando as garantias de direito, o Instituto IBGPEX em parceria com o Núcleo de Práticas Jurídicas do Centro Universitário Internacional UNINTER, desenvolve o Projeto Justiça solidária que visa o atendimento jurídico nas áreas cível e direito da família, proporcionando assessoramento e acompanhamento jurídico para 40 pessoas.

Outros Projetos também abordam as questões relacionadas com ações afirmativas de direito como, o Projeto Mamãe, eu quero mamar, que em parceria com a Associação das Mulheres Médicas seção do Paraná, aborda questões sobre a conscientização da amamentação segura e de qualidade. Neste ano este projeto impactou 200 pessoas.

Já o Projeto Informática para Haitianos, engloba as questões de acessibilidade digital como também a inclusão social e a oportunidade de aperfeiçoamento para o mercado de trabalho. Este projeto foi ministrado para 20 haitianos, muitos deles vieram do Haiti em decorrência da crise humanitária, buscando no Brasil, oportunidade de emprego e uma melhor qualidade de vida. Trouxeram para sala de aula a alegria estampada no rosto, interesse e comprometimento.

EIXO 5 – Ações de Estímulo Relacionados à Difusão das Produções Acadêmicas: Científica, Didático Pedagógico, Tecnológica, Artística e Cultural.

O Assessoramento Pedagógico faz parte do eixo 5 – Ações de Estímulo Relacionados à Difusão das Produções Acadêmicas: Científica, Didático Pedagógico, Tecnológica, Artística e Cultural e teve como foco em 2017 acompanhar, cadastrar, capacitar educadores sociais e realizar visita social a  17 Entidades de Curitiba e região metropolitana que desenvolveram ações para garantia e defesa de direitos da criança e do adolescente. Indiretamente o Instituto impactou 2.987 crianças e adolescentes que as Entidades acompanham.

…..

O Projeto  de Assessoramento Pedagógico visa atender demandas da comunidade externa no que se refere a capacitação de educadores sociais. Desenvolvendo ações de assessoramento, defesa e garantia de direitos da criança,  explicitando o compromisso da instituição com a qualidade do desenvolvimento humano promovido por instituições e organizações que atuam na formação e no acolhimento da criança e adolescente, viabilizando o desenvolvimento da sociabilidade e formação cidadã, que através de programas voltados aos serviço de convivência e fortalecimento de vínculos, buscam ofertar atividades que resgatem as crianças e adolescentes que geralmente em situação de vulnerabilidade social necessitam de um acolhimento,  ou de um contraturno escolar, tornando esses ambientes mais interessantes que as oportunidades que o ócio e os perigos que as ruas oferecem.

Em 2018, o programa continuou desenvolvendo ações voltadas para as entidades cadastradas visando responder as demandas diagnosticadas.

Os encontros foram realizados mensalmente, iniciados com dinâmicas e apresentações, com temas pertinentes às necessidades das educadoras, e finalizados com oficinas onde utilizam de técnicas diversas com materiais recicláveis, que podem ser utilizados como sugestões nas instituições.

No dia 27 de fevereiro, aconteceu o primeiro Assessoramento do Terceiro Setor do ano, no 5º andar do Centro Universitário Internacional Uninter – Polo Garcez.

Estiveram presentes gestoras e componentes da equipe técnica de 7 entidades, ao todo se fizeram presentes 9 pessoas.

O assessoramento iniciou com a apresentação do IBGPEX e dos projetos desenvolvidos pelo mesmo, apresentação dos participantes das entidades presentes, como também uma explanação sobre o funcionamento do Projeto Assessoramento do Terceiro Setor e Pedagógico.

Os representantes de todas as entidades se mostraram dispostos a contribuir, aceitando a parceria e dando várias sugestões significativas de temas que contribuirão para o conhecimento, possibilitando melhorar os encaminhamentos pedagógicos e sociais, dentro de sua instituição.

As principais expectativas dos participantes, estão em torno da aprendizagem, adquirir conhecimento em relação ao Terceiro Setor, criar uma rede de comunicação, melhorar o atendimento às crianças, direcionar crianças para serem atendidas na Clínica de Psicopedagogia, encaminhamento dos adolescentes para o Projeto Jovem Aprendiz e principalmente que a o Assessoramento seja voltado para a realidade das entidades participantes.

NÚCLEO DE APOIO AO TERCEIRO SETOR E RESPONSABILIDADE SOCIAL

O IBGPEX representa o Centro Universitário UNINTER nas comissões organizadoras e executoras de projetos, eventos e ações sociais da ABMES- Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior, do SINEPE-Sindicato das Escolas Particulares, do CONSEG-Conselho de Segurança, da FIEP-Federação das Indústrias do Estado do Paraná no Conselho de Cidadania Empresarial nos Núcleos de Instituições de Ensino e Núcleo do Terceiro Setor.

A Certificação em Responsabilidade Social é um processo voluntário, no qual a organização busca demonstrar aos clientes e à sociedade, por meio de uma avaliação de terceira parte, que o sistema de gestão atende aos princípios da responsabilidade social. Ser uma entidade socialmente responsável significa assumir um compromisso contínuo de atuar de forma ética e contribuir para o desenvolvimento econômico e, ao mesmo tempo, melhorar a qualidade de vida da comunidade local e da sociedade como um todo.

No intuito de estimular a responsabilidade social empresarial, uma série de instrumentos de certificação foram criadas nos últimos anos. O apelo relacionado a esses selos ou certificados é de fácil compreensão, num mundo cada vez mais competitivo, empresas veem vantagens comparativas em adquirir certificações que atestem sua boa prática empresarial. A pressão por produtos e serviços socialmente corretos faz com que empresas adotem processos de reformulação interna para se adequarem às normas impostas pelas entidades certificadoras.

Os selos, inevitavelmente, estão relacionados com marketing empresarial, pois suas ações a favor de algo e dos seres que nele estão envolvidos, são formas de atestar que sua empresa realmente segue determinados parâmetros sociais, colocando em evidencia o trabalho desenvolvido dentro da instituição. Estas certificações acarretam em diversos benefício, já que aumenta consideravelmente para os consumidores, por exemplo, a garantia de que o seu produto, serviço ou empresa, realmente tem responsabilidade social e prima pela sustentabilidade conquistando um público específico e exigente. 

Na Responsabilidade Social Empresarial, representando o Centro Universitário Internacional UNINTER como signatário dos pactos da ONU, no cumprimento dos 8 Objetivos do Milênio, dos princípios do Pacto Global e do Primer, o IBGPEX desenvolve seus projetos, prestando atendimento a pessoas com problemáticas sociais e população em geral, em situação de vulnerabilidade e risco social; dentre seus objetivos prioriza a inclusão social de adolescentes, jovens, idosos, mulheres e deficientes, nas temáticas da educação, da inclusão digital, da qualificação profissional, do empreendedorismo e da qualidade de vida.

O IBGPEX possui as seguintes certificações:

CMDPCD- Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência;

COMTIBA- Certificado de Inscrição de Programas de Atendimento à criança e ao Adolescente, com vigência até 12/12/2018;

CMDCA – Certificação Municipal do Curso de Aprendizagem em Administração;

CMDPI- Certificado de registro de entidade e inscrição de programas de atendimento a pessoa idosa. Com a Resolução nº 112 de 29 de novembro de 2016;

CMAS – Certificação   Municipal de Assistência Social de acordo com a Lei Municipal nº 8.777/95;

Integrante do SUAS- Sistema Único da Saúde –  Rede de Serviços Sócio assistenciais;

Certificação de Tecnologia social – do Banco do Brasil;

Selo de Responsabilidade Social para Instituições de Ensino Superior da ABMES – Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior;

Participa como conselheira, representando também a UNINTER: Conselho Municipal da mulher – Atua no Conselho como Conselheiro Municipal;

Conselho   Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Participação como conselheiro nas Pré-conferências;

SINEPE – Sindicato das Escolas Particulares, nas comissões organizadores e executoras de eventos e ações;

FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná no Conselho de Cidadania Empresarial, Núcleos de Instituições de Ensino, Núcleo do Terceiro Setor;

RIS – Rede de Investidores Sociais;

Integrante do SUAS – Sistema Único da Saúde: Rede de Serviços Sócio assistenciais.

Lançamento do Selo de Responsabilidade Social Universitária Uninter

No dia 27 de setembro de 2018, o Ibgpex realizou o evento de Lançamento do Selo de Responsabilidade Social Universitária Uninter, no Campi Garcez. Este Selo valida o Balanço social desenvolvido pela comunidade acadêmica no período de 01 de janeiro a 31 de outubro de 2018, através dos diferentes cursos, programas, projetos e ações na sua interface com as comunidades, qualificando e quantificando dados da Responsabilidade Social Universitária perante a empresa e a sociedade. O balanço social vem sido construído há mais de 10 anos de forma presencial e a distância pelo IBGPEX com a participação da comunidade acadêmica e dos parceiros.

Contamos com a presença de diversos parceiros que vieram abrilhantar nosso evento, tais como o Coral da Associação Guadalupana La Sale – que faz parte do nosso Projeto Assessoramento do 3º setor, o qual tem por objetivo assessorar e capacitar instituições parceiras, visando melhorar a eficiência e eficácia dos seus processos pedagógicos. Participam atualmente do projeto 17 instituições.

A aluna Cissa Santos integrante do Projeto Rompendo Fronteiras, encantou a todos declamando uma belíssima poesia.

Já o colaborador Rui Kelson nos agraciou com seu talento musical, cantando as músicas Redemption Songs, Coração Valente e Campeão.

Durante o evento, o público teve a oportunidade de assistir um desfile de modas organizado pela nossa Parceira Irene Valenga, da agência Mundo Model – o desfile apresentou um pouco do trabalho realizado no Projeto Fazendo Renda que contempla as temáticas do meio ambiente, memória cultural, diversidade e as ações afirmativas de defesa e promoção dos direitos das mulheres, desenvolve ações com trabalhos de cultura e artesanato utilizando retalhos de tecidos e outros materiais sustentáveis. No projeto as mulheres aprendem a confeccionar bolsas, roupas e acessórios, e recebem também aulas sobre gestão, empreendedorismo, cidadania e qualidade de vida. 

O evento contou com a presença dos parceiros institucionais, alunos dos Programas do IBGPEX e da Comunidade Acadêmica do Centro Universitário Uninter. Participaram do evento 130 pessoas.

ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DOS PROJETOS SOCIAIS IBGPEX 2018

No dia 05 de dezembro de 2018, o IBGPEX, reuniu alunos e colaboradores de todos os programas para o encerramento de suas atividades deste ano, como também realizou a entrega de Certificado para os alunos que concluíram os cursos do Programa Ser Capaz – Informática Acessível, Digitação e Empregabilidade, do Projeto Rompendo Fronteiras, Projeto Jovem Cidadão e Pintura em Tela.

Ao final, um coquetel de encerramento e confraternização.

Este post discorre sobre as ações realizadas no ano de 2018, pelo Instituto IBGPEX em parceria com Centro Universitário Internacional Uninter, apresenta coerência das ações de Responsabilidade Social e a relação das mesmas com as políticas constantes dos documentos oficiais (quando as ações de responsabilidade social praticadas pelas IES estão coerentes com o PDI.)

Aconteceram avanços significativos, nas últimas décadas, os quais impulsionaram para a democratização da sociedade, inspirados em grande medida, pelos movimentos de direitos humanos, os quais destacam a necessidade da construção de espaços sociais que acolham, respeitem e convivam com a diversidade.

Uma educação respaldada pelos avanços científicos e pelas transformações sociais remete a uma reconceitualização da Educação Especial, não mais considerada um sistema paralelo, mas parte integrante do sistema educacional, uma vez que se trata de uma “modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais” (Art. 58, Lei Nº 9394/96). Essa modalidade constitui-se como uma proposta pedagógica que assegura recursos e serviços para apoiar, complementar, suplementar e/ou substituir serviços educacionais adotados para os alunos que apresentam necessidades especiais, tendo em vista o processo de inclusão no contexto educativo.

Cabe ressaltar que uma política inclusiva se refere ao respeito e atendimento das necessidades especiais, não só das pessoas com deficiências, mas também a todas as outras diversidades que aparecem cotidianamente nos diferentes contextos sociais. Assim, alunos com necessidades educacionais especiais são aqueles que apresentam significativas diferenças físicas, sensoriais, emocionais ou intelectuais, decorrentes de fatores inatos ou adquiridos, de caráter permanente ou temporário, que resultem em dificuldades ou impedimentos no desenvolvimento do seu processo ensino-aprendizagem.  

A preocupação fundamental no trabalho dentro do Centro Universitário Internacional UNINTER, junto aos alunos com necessidades educacionais especiais, é no sentido de adequar condições pedagógicas, físicas, de informação e comunicação, para que eles possam efetivamente ser os autores do seu processo de construção de aprendizagem.

A IES entende que um processo de inclusão deve considerar todas as perspectivas de interação nas suas mais diversas magnitudes. Assim, os cursos de graduação e pós-graduação devem trazer na sua estrutura pedagógica, temas que contemplem e valorizem os grupos de interesse, associando conteúdos curriculares às práticas especiais, desenvolvidas intra e extraclasse. Tais práticas pedagógicas devem orientar-se por:

  • Integralidade – a inclusão na educação deve ser uma preocupação do todo, e não realizada como projetos isolados, dissociados da filosofia da instituição;
  • Transversalidade – o processo inclusivo deve permear todos os conteúdos, disciplinas e projetos, de forma a contemplar os diferentes grupos e os diversos temas;
  • Objetividade – os diferentes conteúdos, disciplinas e projetos devem estar sintonizados em objetivos comuns, no sentido de embasar conhecimentos específicos para situações de adversidade na vida cotidiano do grupo;
  • Universalidade – em qualquer área, setor, tema, conteúdo, estrutura física, ação, a inclusão deve ser incorporada como uma política integrada às demais, e não apenas um anexo;
  • Exequibilidade – teorias e práticas adquiridas no processo de aquisição de conhecimento devem ser compatíveis com as necessidades profissionais do grupo de interesse;
  • Interatividade – construir processos sociais junto à comunidade que valorizem os grupos especiais ou lhes deem ênfase especial.

Esses pontos devem incorporar outros elementos na prática educacional, como a inclusão digital, ações de responsabilidade social, projetos de extensão, pesquisas temáticas, entre outros, sempre entendendo que inclusão é, antes de tudo, um processo.